Páginas

sexta-feira, 15 de julho de 2011


À medida que vão subindo escalas sociais, alguns homens e mulheres vão sendo contaminados por um virus chamados poder absoluto. Esse poder absoluto não admite perder, inclusive o controle que têm -- ou imaginam trer -- sobre as pessoas. Esse aí, acima,Rupert Murdoch, é um deles. Sua funcionária Rebekah Brooks, presidente executiva da News International, que abrigava aquele jornal que viveu 168 anos e fechou porque grampeava pessoas,também. Embora tarde, estamos assistindo esses psicopatas se desmancharem que nem pudim.

Depois da lambança, ficam todos com cara de bambi. Recomendo às empresas e empresários que usam de expedientes semelhantes repensarem a conduta, porque o revés é pesado, democrático e geralmente se apresenta em efeito tsunami: arrasam a reputação, imagem, contas bancárias e nunca ficam apenas no âmbito corporativo: pegam a família, amigos, empregados etc.

O poder é bom, desde que usado com moderação. Depois, não tem anúncio simpático que dê jeito.

3 comentários:

Tatiana Bonotto Cake Designer disse...

Estou passando por aqui para convidar você para conhecer meu doce blog.


Quando puder passe por lá, vai ser prazer ter sua companhia.

www.tatidesignercake.blogspot.com

Adriano Berger disse...

Sabe o que mais me incomoda nesse episódio, Silvana? É que essa raça de víboras faz verdadeiras fortunas usando de recursos sujos, e até caem em constrangimento diante da opinião pública um dia. Mas no dia seguinte viram as costas e vão a viver a vida milionária que construíram às custas de sua falta de pudor.

Consegue imaginar alguma expressão de arrependido de um Ricardo Teixeira, por exemplo, caso uma força intergalática o tire daquele trono chamado CBF? Vai sair com a mesma cara estúpida de "danem-se vocês todos" desse Rupert Murdoch e de toda a massa de empresários bandidos e políticos sem escrúpulos que nos rodeiam.

Justiça seria tirar-lhes tudo o que conquistaram...

Grande abraço!
Adriano Berger

darci prass disse...

Justiça seria levá-los a um julgamento justo...